Noite de música autoral na Pastelaria Mutantes em Cachoeiro

Noite de música autoral na Pastelaria Mutantes em Cachoeiro

0
119

O próximo sábado (15) será noite de música autoral em Cachoeiro de Itapemirim. A partir das 20h, a Pastelaria Mutantes receberá as bandas Raw Power, de Cachoeiro de Itapemirim, Mango Music, de Vitória e My Magical Glowing Lens, de Colatina, além de discotecagem durante os intervalos das apresentações.

Organizado pela produtora Subtrópico, da capital, chegou a vez de ocupar o Mutantes, depois de algumas invasões cachoeirenses na Casa Verde, em Vitória. Com a proposta de articular as produções independentes de processos artísticos ligados a música, o “Esse dia foi foda” terá ingressos vendidos a R$ 10 na portaria e ocupação máxima para 100 pessoas.

O rock anos 70 da Mango Music mostrará sua parede sonora e promete balançar a cabeleira da galera com Pedro Moscardi assumindo os vocais em nova formação e músicas fresquinhas do novo EP.

Surpreendendo cada vez mais com suas performances envoltas em atmosferas enérgicas, psicodélicas e improvisos, será apresentada pela primeira vez na capital secreta, a banda My Magical Glowing Lens. O grupo que segue um caminho de liberdade em sua criação, não costuma se prender a um estilo único. Surgida em 2013 quando a vocalista Gabriela Deptulski, sozinha, compôs e tocou em sua casa uma série de músicas, somente em 2015 tiveram início as apresentações das músicas com uma banda. Gabriela aponta que a maior dificuldade para a música autoral no Estado é o conservadorismo.

“As pessoas não estão acostumadas a ouvir coisas novas, elas querem ouvir mais do mesmo, bandas de um estilo específico ou bandas covers. Mas o número de pessoas que curtem música autoral e livre vem crescendo, então me sinto otimista com relação a essa dificuldade. Acho eu também sou responsável por fazer isso se modificar”, explicou a vocalista Gabriela.

Fazendo as honras da casa e para o volume continuar no alto, o quarteto de rock ‘n’ roll garage cachoeirense Raw Power apresentará toda a selvageria setentista e seu stoner rock. A banda teve início às atividades no ano de 2012, se apresentando por diversas vezes na capital do Estado e em municípios do sul. O baixista Marcos Vinicius Supeleto esclarece a importância das bandas fazerem trabalhos autorais para o atual cenário da cidade. “É importante para abrir espaço e incentivar as bandas que querem produzir a própria música, quebrando a tradicional regra do repertório cover”, conclui Marcus Vinícius.

Foto: Rodrigo Pessotti Maia

 

 

LEAVE A REPLY